30 março 2009

Desencontros...

Beijarei este sal
Na maré que não volta
Viverei neste mal
Da chama que transborda
Entre mim e o luar
Sei de cor
O profundo calor
Desta areia
Em fina teia
Que inunda de cor
O horizonte
A minha fronte
Este ténue rubor
Simplesmente naufragar
Nesta barca revolta
Avante além do mar
E no infinito profundo
Entre as vozes deste mundo
Te perder
E te encontrar!

3 comentários:

AnAndrade disse...

Vais-me desculpar a abordagem supérflua mas, de uma primeira leitura, o que me ficou foi: SAL, CALOR, AREIA. Estarei a precisar (urgentemente) de férias?
;)

manzas disse...

O sol rasga os panos do horizonte
Em pacífico brilho de sua magnitude…
Cadenciado ondular que em mar bronze,
Excelsa beleza no marulhar da virtude!

A rocha na ânsia do dia, bebe sedenta do mar,
Firmada num profundo e desigual chão azul …
Cristalizadas águas reflectem o planar,
Das majestosas e imperais… gaivotas do sul!

Gostava que comigo
Desse asas á sua imaginação,
No… “Portal da rocha… penedo do guincho!”

Um bom fim-de-semana,
Com muita inspiração
E na mente… um sorriso!

O eterno abraço…

-MANZAS-

maria disse...

Há coisas que nos parecem únicas, intocáveis,
Mas o cristal também parte
E a decepção toma conta de nós.
Cacos espalhados,
A lágrima em desalinho
Faz-nos acreditar
Que talvez fosse outro o nosso caminho.
Bom fim de semana

MARIA